segunda-feira, 19 de março de 2007

Egoísmo versus Altruísmo: só o homem poderá salvar o próprio homem

Cena comum em cidades no mundo inteiro: um mendigo enfermo sentado em uma calçada pede uma esmola a alguém. Existem vários tipos de pessoas e podemos obter algumas conclusões de um episódio desse.

Uma passa pelo mendigo, não dá nada, não possui nenhum sentimento humanitário, solidário. Outra dá algum dinheiro porque tem pena daquela pobre criatura. Outra mesmo com pena não cede. Enfim é uma situação nada simples e se poderia falar em dezenas de reações dos pedestres.

Mas um fato eu afirmo categoricamente: muitas, mas muitas pessoas sentem, lá no fundo, um peso na consciência. Elas são a única salvação do enfermo, mas não se mobilizam para salvá-lo, nem a outro. Não entram para alguma associação de caridade, não se envolvem. Claro que não, o egoísmo é poderoso. Poucas praticam o altruísmo.

Muitas rezam pelo próximo em suas igrejas ou mesmo sozinhas em casa, pelos cuidados de Deus. Ficam aliviadas, extraem o peso de suas consciências porque delegam a um ente abstrato uma responsabilidade só sua. Unicamente sua. Fácil não?!

Por natureza somos e vivemos entre dois pólos: o egoísmo e o altruísmo. Estaríamos extintos se fôssemos 100% só um deles. Só egoístas não formaríamos sociedades, famílias. Só altruístas esqueceríamos de nós mesmos por completo. Nem conseguimos pensar direito como seríamos totalmente.

Onde quero chegar? Bem, sou otimista quanto ao nosso futuro como espécie animal.

Milhares de anos de cultos, seitas e religiões e parece que o homem não aprendeu muito a respeito de solidariedade, humanidade e altruísmo. Continuamos nos matando e explorando uns aos outros.

Não é possível extirpar nosso lado egoísta, mas podemos e devemos desenvolver o nosso lado altruísta. E será com este lado que o homem aprenderá a dar mais valor ao seu semelhante e, o mais importante, agirá em benefício deste. Não quero dizer em substituição das religiões: temos um lado de acreditar em algo superior e mais de 90% da população mundial possui alguma crença.

Já a ciência e a tecnologia, em dois ou três séculos, mais que dobraram a vida média das pessoas, colocaram o ser humano em uma época de maior conforto de sua história e irão reparar os danos oriundos desse avanço. Isto é o ser humano se voltando para o próprio ser humano.

Imaginem novos materiais a construírem moradias mais baratas, alimentos nutritivos e acessíveis à população de baixa renda, mais trabalho, assistência médica, etc.

Se com o egoísmo nada disso valeria, a prática do altruísmo pode levar o ser humano a um patamar em qualidade de vida nunca imaginada por ninguém. Só religiões não bastam!



Nota - (28/02/2013):

A salvação espiritual pregada pelo cristianismo e todas as outras religiões prometem e conseguem que muitas pessoas melhorem de seus estados emocionais negativos.  E poderão assim ter uma melhora na qualidade de vida conseguindo estabilidade financeira, melhor assistência médica, alimentação, etc. Mas a neurociência está provando que a prática das religiões envolve áreas cerebrais responsáveis pela ansiedade, angústia, depressão, etc. Na verdade então é uma melhora psicológica... Psiquiatria, psicologia e a neurociência, entre as suas ramificações, poderão substituir qualquer prática religiosa para os males do cérebro. Mais uma vez é o ser humano se voltando para o próprio ser humano.

Nenhum comentário: